Conhecer Para Viver*

Por Sinclair B. Ferguson

Quando primeiramente me envolvi no ensino da Palavra de Deus, imaginava que uma das grandes necessidades dos cristãos eram ser instruídos nas “verdades profundas” do evangelho. Eu não tinha grande experiência anterior (em minha vida pessoal) nem observação (de outras vidas), aprendi quão equivocado estava. Começava a ver que de fato as “verdades profundas”( se há tal tipo de coisa) são realmente as velhas verdades básicas do evangelho. Longe de serem supérfluas, são necessidades da vida cristã. O que mais me preocupou veio à luz ao perceber que muitos dos que eram cristãos professos eram fracos em sua compreensão do que é padrão básico na doutrina bíblica. Pensam saber o elementar da mensagem do Novo Testamento, mas por vezes seu entendimento é igual ao de uma criancinha.

Assim, ao começar a ponderar sobre esta situação, percebo que, talvez, este não fosse um estado diferente daquele que o apóstolo Paulo se deparou. Lembro-me de sua interrogação repetida nas cartas aos Romanos e 1Coríntios:”Não sabeis?…Não sabeis?” (Rom. 6.3, 16; 7.1; ICo. 3.16; 5.6; 6.2,3,9,15,19; 9.13,24). Repetida vezes havia apelado para que estes primeiros cristãos tivessem conhecimento, porém, ou eles esqueceram ou nunca aprenderam.

A convicção é que o assunto doutrina cristã é para o viver cristão um dos pontos de maior importância para o crescimento da vida cristã.

Frequentemente no trabalho pastoral tenho visto o seguinte. A maioria de nós, por natureza, não é estudante, mas é do tipo mais prático, “realizadores” antes que “pensadores”. Embora, a história da igreja e as Escrituras, ambas indicam para nós isto, geralmente falando, os “pensadores” são os que melhor “realizam”! Adicione a sua mente mais das histórias das vidas de homens e mulheres que tem mais influências práticas na igreja, ou talvez em sua vida particular. Você irá descobrir pouquíssimos entre eles que não eram estudantes das verdades cristãs, porém, incansáveis em seus estudos. Dos grandes teólogos, mártires, pregadores dotados intelectualmente, dos menores em habilidade menos de poder espiritual, todos, talvez sem exceção, foram estudantes das doutrinas da Bíblia. Jaz aí o seu segredo de utilidade. No entanto, o paradoxo que é visto por nossas mentes naturais, é um dos fatos da realidade espiritual: a vida cristã prática é baseada no entendimento e conhecimento. O verso do Antigo Testamento ilustra isto. Ele diz a respeito do homem: “como imagina em sua alma, assim ele é”( Provérbios 23.7). Que resume a posição cristã perfeitamente – como pensamos é um dos grandes fatores determinantes da forma como vivemos!

Não é difícil demonstrar que essa é a convicção subjacente na totalidade do ensino do Novo Testamento.

*Parte introdutória do primeiro capítulo do livro de Sinclair B. Ferguson, The Christian Life.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s